ÁCAROS PURPÚREO E DA LEPROSE SÃO SENSÍVEIS A ALTAS CONCENTRAÇÕES DE BIFENTRINA, DIMETOATO E FLUPIRADIFURONE

ÁCAROS PURPÚREO E DA LEPROSE SÃO SENSÍVEIS A ALTAS CONCENTRAÇÕES DE BIFENTRINA, DIMETOATO E FLUPIRADIFURONE

Uma pesquisa realizada em laboratório no Mestrado Profissional em Controle de Doenças e Pragas dos Citros – MasterCitrus, do Fundecitrus, investigou o efeito de três inseticidas aplicados para o controle do psilídeo, bifentrina (30 g i.a./2000L), dimetoato (1200 g i.a./2000L) e flupiradifurone (100 g i.a./2000L), no aumento populacional dos ácaros purpúreo (Panonychus citrie da leprose (Brevipalpus yothersi). Os resultados mostraram que os ácaros são sensíveis às concentrações recomendadas para o psilídeo (~ 50% de mortalidade) e a altas concentrações (> 80% de mortalidade). No entanto, fêmeas de P. citri e B. yothersi expostas a subdoses* de bifentrina e/ou flupiradifurone produziram mais ovos do que as fêmeas expostas ao tratamento controle (água). Por outro lado, nenhum efeito significativo foi observado na capacidade reprodutiva das fêmeas de P. citri e B. yothersi nos tratamentos com dimetoato. Esse estudo foi realizado ao longo de 2018 pelo engenheiro agrônomo Aloisio de Padua M. Costa.

De acordo com o orientador do projeto, o pós-doutorando do Fundecitrus Odimar Zanuzo Zanardi, os resultados auxiliam na escolha do inseticida mais adequado para o manejo do psílideo na presença ou ausência dos ácaros. “Como o controle do psilídeo é frequente, conhecer os efeitos destes compostos evita o surgimento de um novo problema, o aumento da população de ácaros”, afirma.

 

*Subdoses são doses inferiores às recomendadas para o controle do psilídeo. Esse processo é resultado da degradação natural dos inseticidas após a aplicação em campo. Assim, neste estudo, foram utilizadas como subdoses as concentrações correspondentes a 6; 12; 25 e 50% da dose recomendada para o controle do psilídeo.

 

Fonte: Fundecitrus

Compartilhe este post