APESAR DE REGISTRAR QUEDA, REGIÃO DE LIMEIRA (SP) TEM A SEGUNDA MAIOR INCIDÊNCIA DE GREENING EM SP E MG

APESAR DE REGISTRAR QUEDA, REGIÃO DE LIMEIRA (SP) TEM A SEGUNDA MAIOR INCIDÊNCIA DE GREENING EM SP E MG

A incidência de greening diminuiu 13,85% na região de Limeira, passando de 39,48% em 2017 para 34,01% em 2018, segundo levantamento realizado pelo Fundecitrus – Fundo de Defesa da Citricultura. No entanto, o índice da doença é considerado severo e a região é a segunda mais afetada das 12 regiões que compõem o cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, atrás apenas de Brotas (58,16%). O índice de greening em Limeira está também muito acima da incidência média verificada em todo o parque citrícola, que é de 18,15%.

O greening é a pior doença da citricultura. Ele não tem cura e compromete a produção devido à queda precoce dos frutos, que não se desenvolvem normalmente e ficam com sabor mais ácido. As plantas doentes devem ser erradicadas.

 

Período crítico

 

Para evitar novos casos de greening, os citricultores devem, além de adotar o rígido manejo da doença, intensificar o controle do psilídeo, seu inseto transmissor. O período entre o final de inverno e o início do verão é considerado crítico, pois a população do inseto aumenta favorecida pelo início das chuvas intensas. As chuvas removem ainda os inseticidas aplicados nas plantas e reduzem a eficácia dos produtos.

“O manejo precisa ser bem feito durante todo o ano, mas nesse momento é imprescindível que seja mais frequente para proteger os pomares de novas contaminações”, afirma o pesquisador do Fundecitrus Silvio Lopes.

 

Fundecitrus

Compartilhe este post