CHINA: CONFERÊNCIA ANALISA DOENÇAS DA MACADÂMIA, DIZ EMBRAPA

CHINA: CONFERÊNCIA ANALISA DOENÇAS DA MACADÂMIA, DIZ EMBRAPA

Lincang/China

A pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Jeanne Prado foi convidada por produtores brasileiros de macâmia para participar da International Macadamia Annual R&D Conference Lincang Nuts Culture Festival, em Lincang, China, de 5 a 9 de novembro, como palestrante.

A pesquisadora irá falar sobre perspectivas em pequisa com a noz macadâmia no Brasil. Nessa oportunidade, apresentará as duas linhas de pesquisas iniciadas pela Embrapa Meio Ambiente, em conjunto com produtores de macadâmia brasileiros, as quais se concentram tanto na identificação de agentes causais de doenças de alto impacto em macadâmia (coordenadas pelo pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Bernardo Halfeld Vieira), quanto na direcionada à avaliação da entomofauna associada a pomares de macadâmia e de pragas exóticas, coordenada pela pesquisadora.

Conforme Rodrigo Mendes, chefe de P&D da Embrapa Meio Ambiente, a pesquisa foi formalizada por Acordo de Cooperação Técnica entre a Embrapa e a empresa QueenNut Macadamia Indústria e Comércio de Alimentos Ltda . Este acordo é resultado de demanda direta do Departamento de Nozes e Castanhas do Conselho Superior do Agronegócio (Cosag), da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), formalizada junto a Diretoria da Embrapa, em agosto de 2018 e de posterior visita de pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente à área produtora da QuennNut, em São Paulo, em setembro do mesmo ano. Localizada na região central do estado de São Paulo desde 1986, a QueenNut investe em desenvolvimento e tecnologia na produção da noz macadâmia no Brasil, sendo referência em qualidade e produtividade.

A partir dessa reunião, deu-se início à cooperação desses produtores com a Embrapa Meio Ambiente, que de forma geral, visa um melhor conhecimento dos agentes causais de doenças e dos insetos presentes associados ao cultivo da macadâmia na área avaliada. Na relacionada aos insetos, a pequisa também se propõe a avaliar aqueles que favoreçam o aumento da polinização dos pomares e os insetos-pragas exóticos de maior potencial de acometer áreas nacionais, favorecendo estratégias de monitoramento e controle preventivos. Por essa razão, o conhecimento sobre as principais pragas dos cultivos nos países produtores e contatos diretos com esses pesquisadores e produtores, viabilizam disponibilizar conhecimento e direcioná-los às atividades de pesquisa de ações preventivas e de manejo aplicáveis na área de cultivo brasileira.

O pesquisador Bernardo Viera compõe o grupo de fitopatologia que trabalha nesse estudo. De acordo com ele, o desenvolvimento de atividades de pesquisa tem o objetivo de identificar os agentes causais das doenças da macadâmia.

“A identificação de patógenos nas plantações de macadâmia e o conhecimento da relação entre as estações e o aumento da incidência de doenças permitem uma definição precisa das medidas a serem tomadas para controlar cada doença. Esses dados podem ser usados para se precaver de possíveis problemas fitossanitários em outras áreas de expansão. Além disso, a identificação correta de agentes causais dará suporte a estratégias mais adequadas de manejo de doenças em plantações de macadâmia”, explica Bernardo.

Ao identificar os patógenos na cultura em cada época do ano e as condições climáticas mais favoráveis para ocorrência de cada doença, será possível definir com maior precisão as medidas de controle a serem adotadas para cada doença.

O convite demonstra a credibilidade dos trabalhos desenvolvidos pela Embrapa Meio Ambiente, que vem contribuindo com ações de pesquisas para apoiar estratégias de Manejo Integrado de Pragas e Doenças com foco na sustentabilidade da agricultura brasileira.

No evento haverá a participação de representantes de todos os países produtores de macadâmia e a participação da pesquisadora é uma importante oportunidade de interação e troca de experiências com diferentes instituições e pesquisadores de todo o mundo.

 

Impacto previsto

 

A partir dessas atividades e contatos, espera-se aproximar a Embrapa dos líderes globais de pesquisa e desenvolvimento em macadâmia e também abrir perspectivas e possibilidades de novas parcerias e projetos de cooperação para a Empresa.

Fonte: Embrapa Meio Ambiente

Compartilhe este post