IICA ASSINA ACORDO COM A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CACAU PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DESSE PRODUTO NA REGIÃO

IICA ASSINA ACORDO COM A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CACAU PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DESSE PRODUTO NA REGIÃO

As experiências combinadas dessas duas entidades deverão assegurar o desenvolvimento sustentável da economia cacaueira nesta região.

Kingston, Jamaica. 16 de maio de 2018 (IICA).  Produtores de cacau da América Latina e Caribe esperam se beneficiar de um amplo acordo entre o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e a Organização Internacional do Cacau (ICCO) para a produção de cacau de categoria premium.

Um Memorando de Entendimento foi assinado em marco de 2018 pelo diretor-geral do IICA, dr. Manuel Otero, e o diretor-executivo do ICCO, dr. Jean-Marc Anga, com foco na produtividade, competitividade, acesso a mercados, capacidade de desenvolvimento e resiliência em mudança climática. O objetivo é ajudar os produtores de cacau da região por meio de cooperação técnica, serviços diretos de aconselhamento, treinamento e compartilhamento de conhecimento.

Como organização que promove o desenvolvimento agrícola e rural na América Latina e Caribe, o IICA está consciente de que os produtores de cacau da região enfrentam desafios, como as pragas, o baixo retorno, o acesso limitado a fontes de crédito e as restrições de acesso a mercados. Criada em 1973, a ICCO representa os interesses dos países produtores e consumidores, em nível global. As experiências combinadas dessas duas entidades deverão assegurar o desenvolvimento sustentável da economia cacaueira nesta região.

A rica cultura do cacau vem de milhares de anos atrás, e suas raízes podem ser encontradas nas florestas tropicais da Bacia Amazônica das Américas. Apesar disso, a região que deu ao mundo o cacau e o chocolate – um dos seus culposos prazeres – não domina mais esse mercado. A África lidera, com 75% da produção mundial, com a América Latina e Caribe cultivando apenas 17%.

Hoje, o mercado mundial reconhece duas categorias de cacau: o “forastero” ou comum e o grão fino e mais saboroso. A América Latina e Caribe é a região onde se produz a maior parte do cacau fino e saboroso.

A categoria fina e saborosa é reconhecida como o cacau premium. O fator que o diferencia do cacau comum, amplamente comercializado, é seu aroma e sabores característicos. Assim como um vinho sofisticado, o cacau premium oferece aos consumidores de chocolate uma diversidade de sabores derivados de sete perfis básicos: floral, caramelo, frutado, nozes, picante, terroso e até mesmo de ervas.

A expressão de sabor dos grãos de cacau depende do padrão genético dos cacaueiros, do solo, da fermentação dos grãos, da secagem e da conchagem na feitura do chocolate. O conhecimento e as habilidades requeridas para se produzir o melhor cacau premium, entretanto, foram perdidos na América Latina e Caribe.

Em uma reunião com a representante do IICA na Jamaica, Elizabeth Johnson, no ano passado, Anga expressou o desejo da ICCO de fortalecer as relações com os países produtores de cacau premium e de ajudar a revitalizar e expandir o setor na região.

Agora que o Memorando de Entendimento foi finalizado e assinado, sua importância não pode ser exagerada. A colheita e a fermentação do cacau premium são processos especialmente delicados, exigem trabalho intensivo e são custosos. A revitalização e a sustentabilidade dessa indústria podem fazer muito para transformar o destino dos cerca de 250 mil produtores de cacau da região: melhorar as condições de vida, promover mais desenvolvimento rural, gerar oportunidades para jovens e mulheres e ainda impactar nas vidas de milhões de pessoas envolvidas na cadeia de valor do cacau na região.

Da mesma forma, o aumento da popularidade de cacau e do chocolate nos mercados emergentes, o gosto por chocolate premium e os hábitos saudáveis do consumo de chocolate com maior teor de cacau trazem novas fronteiras para a região, que ainda não se aproveitou das vastas oportunidades econômicas da produção de bens com maior valor agregado, como a manteiga de cacau, as gotas de cacau, licores, pastas, cosméticos, produtos para a saúde e o bem-estar. O chocolate com maior teor de cacau contém antioxidantes e flavonoides, que estão associados à boa saúde cardíaca, ao combate ao câncer e à melhoria das funções cognitivas. Dois gramas ou menos de chocolate com alto teor de cacau por dia é o necessário para se colher os benefícios.

Dentre os 34 países-membros do IICA, 24 são produtores do cacau premium. Johnson, especialista no uso e na conservação dos recursos genéticos de plantas, como o cacau, foi designado pelo IICA para liderar os esforços desse empreendimento promissor.

Para mais informações:

 

Elizabeth Johnson

Representante do IICA na Jamaica

elizabeth.johnson@iica.

 

Compartilhe este post