PAÍSES SE MOVIMENTAM PARA “SALVAR BANANA DA EXTINÇÃO”

PAÍSES SE MOVIMENTAM PARA “SALVAR BANANA DA EXTINÇÃO”

Variedade que antes era resistente à Doença do Panamá, hoje também está sofrendo

 

Em uma tentativa de salvar a banana e a indústria que a produz, os cientistas estão em uma corrida para criar uma nova planta resistente à doença do Panamá. A doença ameaça não só a subsistência de todos nessa indústria de US $ 44 bilhões, mas também os 400 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento que dependem de bananas para uma proporção substancial de sua ingestão calórica.

De acordo com Stuart Thompsom, do The Convesation, empresas e laboratórios Ásia, Austrália, Oriente Médio e África estão unindo esforços para contornar o problema. “As estimativas variam, mas as perdas devido à epidemia da doença no Panamá podem ter chegado a US $ 2,3 bilhões, o equivalente a US $ 18,2 bilhões no momento”, informa.

“As companhias de banana perceberam que outra variedade de banana conhecida como ‘Cavendish’, ao contrário do tipo ‘Gros Michel’ que foi cultivada na América Latina na década de 50, era quase completamente resistente à doença do Panamá. A Cavendish resgatou a indústria e, durante cinco décadas, espalhou-se pelo mundo. Hoje, 99% das bananas exportadas e quase metade da produção total mundial são da variedade Cavendish. Mas essa força agora se tornou a maior vulnerabilidade da indústria da banana. A doença do Panamá voltou, e desta vez o Cavendish não é mais resistente”, completa.

A partir disso, os pesquisadores estão tentando usar a modificação genética e o uso de nematóides para conter a doença. “Há momentos em que os organismos precisam de algumas células para se sacrificarem. Um exemplo dramático é quando uma árvore deixa suas folhas para o inverno, mas também acontece em nosso próprio desenvolvimento. No útero, os dedos formam-se de barbatanas como apêndices quando as células que as separam se extinguem. O gene do nematóide é aquele que bloqueia esse processo”, conclui.

 

AGROLINK

Compartilhe este post