RS: ABACATES DE VARIEDADES TARDIAS SÃO ALTERNATIVA PARA DIVERSIFICAÇÃO DE POMARES, DIZ EMATER/RS

RS: ABACATES DE VARIEDADES TARDIAS SÃO ALTERNATIVA PARA DIVERSIFICAÇÃO DE POMARES, DIZ EMATER/RS

Barão/RS
Quem cultiva pés de abacate – e até quem consome a fruta regularmente – sabe que a época mais intensa de produção vai dos meses de março a agosto, com algumas pequenas variações. É neste período que variedades como Geada e Fortuna ficam maduras, ampliando a oferta e reduzindo o preço para a compra. Só que, assim como ocorre com as frutas cítricas, é possível produzir abacate em praticamente todos os meses do ano, salienta o assistente técnico regional em Sistema de Produção Vegetal da Emater/RS-Ascar, Derli Bonine.

Bonine explica que todas as variedades de abacateiro florescem na mesma época, entre agosto e setembro. Mas o desenvolvimento das frutas é distinto, comenta. E é justamente esta característica, que faz com que haja variedades de ciclo precoce, como o Geada, que estará pronta para o consumo em março. Ele cita como exemplo o que ocorre na propriedade do agricultor Celestino Scotta, de Arroio Canoas, em Barão, no Vale do Caí. No local há um grande abacateiro que acompanha a família há muitos anos, fornecendo a fruta nos meses de novembro e dezembro. Neste caso, temos uma variedade de ciclo tardio, pois as frutas que estão sendo colhidas agora são resultado do florescimento que ocorreu ainda em setembro de 2017, enfatiza o técnico.

A verdade é que eu nem sei precisar desde quando este abacateiro está aí, observa Scotta, enquanto aponta a base do tronco da árvore que possui 3,20 metros de diâmetro. Na última safra foram colhidos abacates para alimentar a família, vizinhos e amigos. Sobre a variedade coletada na propriedade dos Scotta, simbolicamente chamada de Canoas de Ouro, Bonine afirma ser uma fruta mais alongada, de polpa dourada e bastante amanteigada, consistente, sem fibras e com casca fina, de fácil manuseio.

Foi quando iniciou a produção de mudas de árvores frutíferas como citros, nêsperas, noz pecan e o próprio abacate, no ano de 2004, que o também agricultor e viveirista de Barão, Renato Schommer, começou uma espécie de cruzada em busca das variedades mais tardias. Isto pelo fato de que é possível enxertar os galhos de frutas dos tipos que estarão maduras no último trimestre do ano, as plantas matrizes, em mudas (germinadas a partir do caroço), que assumirão as características da planta mãe. Desta forma, se a planta mãe é tardia, as mudas daí resultantes também serão de ciclo tardio pondera Schommer.

Isto é algo muito bom para quem está interessado em implantar um pomar apenas com abacates, pois com o manejo correto e os cuidados na escolha das espécies, é possível cultivar a fruta durante o ano todo, de forma escalonada, com garantia de variedade e de renda, afirma Schommer. Em Bento Gonçalves, por exemplo, há um pé de abacate na casa da joalheira Elis Regina dos Santos Zecchin.

Elis herdou o terreno do sogro, há 15 anos, e foi descobrir que a planta dava frutas de variedades tardias apenas quando Renato apareceu no local para conversar sobre o assunto. Pra falar a verdade eu nem sabia a época certa, sorri. No local, Schommer obteve ramos da variedade apelidada de Bento, que nos meses de outubro a dezembro produz frutas mais arredondadas, com massa cremosa e sem fiapos. Ideal como uma alternativa a mais para quem tem interesse em implantar um pomar, avalia.

 

Foto: Divulgação / Emater-RS

Fonte: Emater/RS

 

Compartilhe este post