RS: CURSO DE PRODUÇÃO DE MORANGO EM SUBSTRATO FORMA NOVA TURMA DE AGRICULTORES EM TEUTÔNIA

RS: CURSO DE PRODUÇÃO DE MORANGO EM SUBSTRATO FORMA NOVA TURMA DE AGRICULTORES EM TEUTÔNIA

Teutônia/RS
Um grupo de agricultores e de técnicos dos municípios de Bom Princípio, Harmonia, Brochier, São Pedro da Serra, General Câmara, Venâncio Aires, São Leopoldo, Gravataí, Lajeado e Estrela, participou na terça e na quarta-feira (12 e 13), de uma nova edição do Curso de Produção de Morango em Substrato  Sem Resíduos de Agrotóxicos. Com 90% de atividades práticas, a capacitação, ministrada por extensionistas da Emater/RS-Ascar, foi realizada no Centro de Formação de Agricultores de Teutônia (Certa). A próxima qualificação ocorre no mês de agosto.

Com a conclusão dessa turma já são cerca de 100 agricultores e técnicos formados pelo curso, que teve a sua primeira edição realizada em agosto de 2017. Para o coordenador do Certa, Maicon Berwanger, o que se tem percebido é que os participantes entram com muitas dúvidas, já que o cultivo do morango não possui um modelo definido para a região. “Há muita carência de informação não apenas sobre manejo, mas também a respeito do mercado e do comportamento do consumidor. E o curso também auxilia nessa parte”, destaca Berwanger.

Não é por acaso que todo o ciclo do morango em substrato é abordado na atividade, iniciando na implantação da estrutura produtiva, na colocação da bancada e no enchimento dos slabs, até chegar nas potencialidades de retorno econômico para a atividade. “No meio do caminho, temas como a fisiologia das plantas, o preparo das mudas, a elaboração de soluções nutritivas, manejo da água e da fertirrigação, doenças e pragas do morangueiro, elaboração de caldas e colheita e pós-colheita também são apresentados”, destaca o assistente técnico regional em Sistema de Produção Vegetal da Emater/RS-Ascar, Lauro Bernardi.

Para a produtora Fernanda Heckler, de Harmonia, o curso não poderia vir em melhor hora. Com a primeira estufa com 1,7 mil mudas recém-plantadas, a agricultora está retornando de uma temporada de 10 anos na cidade, para investir no cultivo. “Além da possibilidade de retorno financeiro, o trabalho com o morango também tem a ver com a qualidade de vida”, destaca Fernanda, que possui duas filhas. Durante a qualificação, temas como manejo do morangueiro e adubação, lhe chamaram a atenção. “Às vezes são pequenas ações do dia-a-dia, que fazem a diferença”, comenta.

Já o agricultor Wilhelm Wentz, de Brochier, sempre foi um autodidata no que diz respeito ao morango. As dúvidas tiradas em vídeos na internet, ou “incomodando produtores amigos”  como ele mesmo brinca  foram fundamentais para a implantação da estufa com 5,8 mil pés de morangos, plantados no ano passado, e que já tem dado os primeiros frutos. Ainda assim, temas como manejo da colheita e a importância do monitoramento permanente do morangueiro, são destacados por Wentz como ações que fazem a diferença. “Não é difícil trabalhar com o morango, mas é um serviço que exige atenção”, resume.

Para Berwanger, a fala dos agricultores tem a ver com um dos principais propósitos da qualificação, que é fazer com que os participantes percebam a importância de se manter uma rotina de monitoramento dos morangos. Fernanda concorda com o coordenador do Certa. “Houve uma vez em que fiquei um dia sem verificar os morangueiros e já tive problemas com ácaro”, ressalta. Para que ninguém fique com dúvidas, ao final do curso, também é criado um grupo de whats para discussões de temas relacionados ao cultivo. “Essa é uma ferramenta de assistência técnica continuada, que também tem sido importante”, finaliza Berwanger.

Fonte: Emater/RS

Compartilhe este post