RS: ÍNDIOS DO MS TRABALHAM NA COLHEITA DE MAÇÃ EM VACARIA

RS: ÍNDIOS DO MS TRABALHAM NA COLHEITA DE MAÇÃ EM VACARIA

Vacaria atrai safristas de várias regiões do país para colheita da maçã

Vacaria/RS
A cada colheita da maçã, realizada nos primeiros meses do ano, Vacaria recebe milhares de trabalhadores em busca de oportunidades. Uma parte dos safristas é da região da Fronteira do Rio Grande do Sul, porém, há pessoas de diferentes estados que vão até a cidade, localizada nos Campos de Cima da Serra Gaúcha, para atuar durante o período. Na Rasip, terceira maior produtora e comercializadora da fruta no Brasil, são mais de dois mil trabalhadores temporários contratados para o período, sendo que 50% deles são de aldeias indígenas do Mato Grosso do Sul.  A empresa recebe ainda pessoas dointerior do Paraná, de São Paulo e de estados do Nordeste.

A colheita atrai safristas por conta dos benefícios oferecidos. Em muitos casos, o serviço temporário ajuda no sustento das famílias dos trabalhadores durante o ano todo. A Rasip conta com uma estrutura de alojamentos nos próprios pomares, além de atendimento médico com ambulatório e três refeições diárias. “Recrutamos trabalhadores de fora da cidade em função da elevação da produtividade e maior tempo de permanência, uma vez que ao ficar alojada na empresa, a pessoa permanece focada na atividade”, conta Sergio Martins Barbosa, diretor-superintendente da RAR, marca corporativa, que engloba a Rasip.
O diretor revela que a empresa passou a contratar indígenas há cerca de oito anos e atualmente possui quatro recrutadores, quepassam o ano viajando e conhecendo cidades, aldeias e contatando agências locais do Sistema Nacional de Empregos (Sine). “Os profissionais da RAR vão até as aldeias e conversam com os caciques, explicando como funciona o trabalho”, relata Sergio.  Após, as vagas são abertas no Centro de Integração e Apoio ao Trabalhador (Ciat) e então um recrutador vai até a aldeia e, com o apoio de um líder local, realiza a seleção. “Existem casos de safristas que vêm há quatro, cinco anos, consecutivamente”, destaca Sergio.

A maior quantidade de contratações ocorre no início do ano, para a colheita da Gala – entre o final de janeiro até metade de março. Após este período os trabalhadores voltam para casa e retomam a atividade em Vacaria no final de março, para a colheita da Fuji que dura cerca de um mês. Em novembro, ocorre o “raleio”, que é a retirada do excesso de frutos do pomar, para que possa produzir novamente. “Esta é outra oportunidade em que contratamos mão de obra extra”, conta a coordenadora de Recursos Humanos da RAR, Karine Amarante.

“Neste ano contamos com safristas de São Paulo, Paraná, Bahia, Sergipe, Paraíba e de cidades do Mato Grosso do Sul como Dourados, Campo Grande, Aquidauana, Amambai, além das aldeias Taquapiri, Guassuti, Sassoró, Amanbai e Jaguapiré, entre outras”, conta Karine. Atualmente a RAR conta com 850 funcionários fixos, além das contratações temporárias.

 

RASIP   

Uma das pioneiras a atuar no segmento de maçãs no país – os primeiros pomares foram plantados na década de 70 – a Rasip é a terceira maior produtora e comercializadora da fruta no Brasil. A empresa integra a RAR e foi fundada por Raul Anselmo Randon. Com sede em Vacaria, nos Campos de Cima da Serra Gaúcha, a Rasip tem como premissa o planejamento e execução de todos os processos a fim de garantir a excelência do produto final. Desde a colheita no campo, passando pelo atendimento personalizado, até a eficiência na entrega, a empresa prima pela satisfação plena do cliente, pois entende que este resultado é a condição única para atuar competitivamente no mercado, sustentando seu crescimento e visão de futuro. Possui a certificação Global G.A.P. (Global/Good Agricultural Pratice), que garante um produto seguro, livre de qualquer tipo de contaminação, permitindo assim sua comercialização nas maiores redes de produtos alimentícios do mundo.

Fonte: Rasip

Compartilhe este post