SC: CICLO DE PALESTRAS AMPLIA CONHECIMENTO TÉCNICO DOS PRODUTORES DE MAÇÃ, DIZ EPAGRI

SC: CICLO DE PALESTRAS AMPLIA CONHECIMENTO TÉCNICO DOS PRODUTORES DE MAÇÃ, DIZ EPAGRI

São Joaquim/SC

Apresentar as principais tecnologias, trocar experiências e conhecer as práticas utilizadas na cultura da macieira para ampliar o conhecimento do fruticultor e desta forma melhorar a qualidade dos frutos e a produtividade dos pomares. Esse foi o objetivo do ciclo de palestras realizado pela Epagri em São Joaquim, no dia 20 de agosto, na comunidade do Luizinho.

Os assuntos tratados foram sobre quebra de dormência e avaliação do frio em 2019, manejo de colmeias para polinização, manejo das principais doenças, estratégias para minimizar os prejuízos com as pragas nos pomares, principais podridões e qualidade no armazenamento.

O evento contou com a participação de 88 pessoas entre fruticultores, técnicos e colaboradores da região. Os palestrantes foram técnicos da pesquisa e extensão da Epagri e representante da nova diretoria da Associação Catarinense de Maçã e Pera (Amap), que mostrou novos desafios da diretoria e os planos para a nova gestão.

Segundo o extensionista de São Joaquim, Marcelo Cruz , um dos debates se concentrou  na importância da qualidade do frio no outono/inverno de 2019, que teve até o momento cerca de 380 horas de frio abaixo de 7,2° C, valores bem abaixo da média histórica na região. “Isso pode dificultar a brotação e a de formação de gemas floríferas, o que se faz necessário o uso de produtos para ajudar na quebra de dormência nesta safra para que tenhamos um brotação uniforme e com isso uma série de fatores fisiológicos, hormonais e nutricionais que podem influenciar todo ciclo da cultura”, diz.

Outro assunto discutido foi a polinização realizada pelas abelhas, prática fundamental para aumentar a frutificação efetiva e garantir a produção dos pomares. Foram destacados a importância, os cuidados e o manejo correto para resultar em colmeias fortes e com a quantidade necessária de abelhas para polinização dos pomares com maior densidade de plantas.

No que diz respeito a doenças da macieira, as discussões destacaram a importância dos métodos de controle e os trabalhos de erradicação do  cancro europeu, uma das principais doenças na cultura que pode ser erradicada a partir da conscientização de técnicos e fruticultores. Outros assuntos debatidos foram sobre a sarna da macieira e a mancha foliar da gala, doenças também importantes a serem enfrentadas na macieira.

Em relação às pragas, comentou-se sobre a grafolita e a mosca das frutas, que podem ser controladas se realizados o manejo integrado de pragas e o correto monitoramento para intervenção no momento oportuno, a exemplo das ferramentas de controle como os feromônios sexuais, a captura massal e as iscas tóxicas para assim evitar pulverizações desnecessárias em todo pomar.

Sobre o armazenamento da fruta, o extensionista do município, Felipe Souza, destaca que é fundamental oferecer produtos saudáveis e de qualidade. “O processo se inicia com o manejo correto da fonte de inóculo já nos pomares. Com isso pode-se evitar as podridões de pré e pós-colheita que causam perdas substanciais no armazenamento nas câmaras frias, resultando em um produto de baixa qualidade para nosso consumidor final”.

Segundo os dois extensionistas, o evento foi importante para mostrar todo conhecimento gerado e que deve ser difundido para os fruticultores, técnicos e demais elos da cadeira produtiva, para que a atividade possa ser cada mais profissional e competitiva, gere renda e melhore a qualidade de vida no meio rural, proporcionando um setor mais organizado e um preço mais justo para o produto.

Fonte: Epagri

Compartilhe este post