SE: AGRICULTORES DO BAIXO SÃO FRANCISCO APRENDEM A PRODUZIR MUDAS DE COQUEIRO

SE: AGRICULTORES DO BAIXO SÃO FRANCISCO APRENDEM A PRODUZIR MUDAS DE COQUEIRO

Pacatuba/SE
Agricultores familiares do Baixo São Francisco Sergipano participaram, na quinta (29), em Pacatuba, de uma capacitação promovida pela Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE) sobre produção de mudas de coqueiro.
O evento aconteceu no Assentamento Padre Nestor, com 25 jovens e agricultores familiares assentados, e teve o apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), que forneceu 500 sementes de coqueiro anão verde (utilizado na produção de água de coco) para a capacitação. A parceria entre a Embrapa e a Codevasf se deu por meio da formalização, em maio deste ano, do contrato de cooperação técnica entre as instituições.

A atividade faz parte das ações de apoio à inovação tecnológica do projeto TTBrascoco, liderado pela Embrapa, que tem foco na transferência de tecnologias para fortalecer a cadeia produtiva do coqueiro no Brasil.

“Esta ação é complementar a muitas outras que já vem ocorrendo desde julho de 2016 com o apoio da Associação dos Moradores e Moradoras do Projeto de Assentamento Padre Nestor, como capacitações sobre sistema consorciado para a cultura do coqueiro, intercâmbios, dias de campo e palestras”, explica a analista de Transferência de Tecnologia da Embrapa Sonise Medeiros, coordenadora da atividade.
O treinamento teve como facilitador o supervisor de campos experimentais Erivaldo Morais, experiente técnico agrícola com quatro décadas dedicadas principalmente à cultura do coqueiro, com apoio dos agentes de Transferência de Tecnologia Eduardo Oliveira e Paulo Sérgio Mota.

A programação, além da sensibilização para a importância do aprendizado tecnológico para a formação de jovens filhos de agricultores, envolveu componentes teóricos – as características e qualidade das sementes; técnicas e boas práticas para produção de mudas – e práticos – implantação de uma sementeira.

De acordo com Sonise, as sementes germinadas e que apresentarem características agronômicas viáveis para o plantio, serão transplantadas na Unidade de Referência Tecnológica (URT) já instalada no local. “Seu excedente será distribuído com as famílias moradoras do assentamento e que fazem parte do grupo de interesse”, complementou.

Fonte: Embrapa Tabuleiros Costeiros

Compartilhe este post